INSCRIÇÕES ABERTAS E GRATUITAS PARA O ENCONTRO NACIONAL DE ARQUIVOS E ENCONTRO DA EDUCAÇÃO: X FÓRUM DA REDE KINO QUE INTEGRAM A PROGRAMAÇÃO DA 13ª CINEOP

A 13ª CineOP – Mostra de Cinema de Ouro Preto, que acontece entre os dias 13 e 18 de junho, na cidade histórica mineira, eleita fórum privilegiado de discussões e encaminhamentos da preservação promove no âmbito de sua programação o 13º Seminário do Cinema Brasileiro: Fatos e Memória e sedia o Encontro Nacional de Arquivos e Acervos Audiovisuais Brasileiros, o Encontro da Educação: X Fórum da Rede Kino – Rede Latino-Americana de Educação, Cinema e Audiovisual e os debates da temática histórica. O Seminário acontece nos auditórios do Centro de Artes e Convenções, um dos locais de realização do evento. As inscrições são gratuitas e devem ser realizadas pelo site (www.cineop.com.br) até o dia 05 de junho. Vagas limitadas.

Os eixos temáticos em discussão são: “Fronteiras do Patrimônio Audiovisual”, na Temática Preservação; “Vanguarda Tropical: Cinema e as outras Artes”, na Temática Histórica; “ Escola: Memórias do Futuro”, na Temática Educação. Colocam em evidência a necessidade de criar os instrumentos adequados para a prática das virtudes da arte cinematográfica e ampliam o diálogo e a reflexão sobre preservação, história e educação aplicadas à produção audiovisual brasileira.

Ao todo serão promovidos 20 debates com a participação de 79 convidados do audiovisual, acadêmicos, pesquisadores, historiadores, críticos de cinema e seis convidados internacionais de quatro países - França, Espanha, EUA, Uruguai - que vão colaborar com suas experiências, reflexões e propostas sobre as questões centrais das temáticas desta edição atraindo a participação de interessados e do público em geral.

“Preservadores e educadores vêm buscando uma participação maior e mais ativa no que concerne ao diálogo com os pares, com a universidade, com a sociedade e com o Estado. A CineOP tem se colocado como um espaço privilegiado de valorização e aproximação de diferentes agentes da cadeia do audiovisual e da educação visando unir e incentivar os trabalhos em comum, com vistas a avanços e mudanças significativas das duas áreas”, afirma a coordenadora do evento e diretora da Universo Produção, Raquel Hallak.

DEBATES | TEMÁTICA HISTÓRICA

Serão promovidos quatro debates com foco na temática histórica desta edição, sendo os três primeiros em diálogo com as outras temáticas. O debate inaugural do Seminário acontece dia 15 de junho, sexta, às 10 horas, no Auditório do Centro de Convenções com enfoque no tema central: “Vanguarda Tropical: O cinema e as outras artes” - o que 1968 representou como mudança de paradigma na arte brasileira? Qual sua particularidade frente aos outros anos que já se notabilizavam pela radicalidade estética? Qual a narrativa que temos hoje desse momento? Ela dá conta de toda sua complexidade? O que é necessário rever dessas histórias das vanguardas para além de seus paradigmas mais consagrados? No centro deste debate, os professores Celso Favaretto (SP) e João Luiz Vieira, professor titular da UFF (RJ).

Na mesa data, às 14h30, será realizado o debate “Fronteiras do Experimental: História, cinema e outras artes”. Para discutir como organizar uma história do experimental brasileiro e qual é o horizonte da radicalidade inventiva no Brasil, participarão da mesa a artista e pesquisadora Katia Maciel (RJ); a pesquisadora e documentarista Guiomar Ramos (RJ) e o crítico de cinema, curador e cineasta Tiago Mata Machado (MG). O crítico de cinema e curador da Temática Histórica, Francis Vogner dos Reis (SP), será responsável pela mediação.

Às 17h, acontece o debate Nova história do cinema brasileiro: Novos enfoques, materiais e perspectiva”, seguido do lançamento do livro de mesmo nome, organizado pelos professores Sheila Scharzman (SP) e Fernão Ramos. Nesta coletânea, uma série de textos de pesquisadores e especialistas traça um panorama atualizado e detalhado do cinema brasileiro. O bate-papo será mediado pelo crítico de cinema José Geraldo Couto (SC), e contará com a presença da organizadora e dos autores Guiomar Ramos (RJ), João Luiz Vieira (RJ) e Luciano Ramos(SP).

E o quarto debate com enfoque na temática histórica é Vanguarda Tropical: Potências e Limites de um Conceito”, com os cineastas Carlos Adriano (SP) e Ewerton Belico (MG) e a pesquisadora Pérola Mathias (RJ), mediados pela curadora da temática histórica Lila Foster (DF), no dia 16 de junho, às 16h45.

ENCONTRO NACIONAL DE ARQUIVOS E ACERVOS AUDIOVISUAIS BRASILEIROS

O 13º Encontro Nacional de Arquivos terá como eixo de discussões as “Fronteiras do Patrimônio Audiovisual”. A proposta é promover a reflexão entre os diferentes atores da cadeia do audiovisual, tendo o patrimônio como preocupação central. Nesta edição, serão realizados debates, workshops, master class e diálogos, buscando ampliar vozes e ações em defesa do patrimônio audiovisual brasileiro e, ao mesmo tempo, contribuir para a análise sobre os limites e as potencialidades do setor.

A experiência internacional na área de preservação será compartilhada no sábado, 16 de junho, às 14h30, no debate internacional “Fronteiras do patrimônio audiovisual: formação, produção e preservação no âmbito universitário”. A atividade promoverá uma discussão a partir de diferentes experiências, nacionais e estrangeiras, na formação de novos preservadores, com a presença de Rafael de Luna Freire, coordenador do Laboratório Universitário de Preservação Audiovisual (LUPA), da UFF (RJ); Juana Suarez, diretora do Moving Image Archiving and Preservation Program MIAP/ NYU (EUA), e Humberto Neiva, coordenador do curso de Cinema da Fundação Armando Álvares Penteado - FAAP (SP). A mediação é de Marília Franco, membro do Centro de Pesquisadoras do Cinema Brasileiro e Professora ECA/USP (SP).

No domingo, 17 de junho, serão realizados três debates: Fronteiras do patrimônio audiovisual: malditos e olvidados”, às 9h30, que convida a uma reflexão sobre imagens em movimento do presente e do passado que costumam ser excluídas ou não consideradas, seja por seu gênero, por sua bitola não profissional, por ter uma finalidade específica, por serem amadores ou mesmo por não se encaixarem. Com Juçara Palmeira, arquivista da Casa de Oswaldo Cruz (RJ), a antropóloga do Museu Paranaense, Fernanda Maranhão (PR), Paola Prestes Penney, documentarista e doutoranda da ECA-USP, e o pesquisador Remier Lion (RJ), mediados pela professora da Fundação Getúlio Vargas Thaís Blank.

Em seguida, “Fronteiras políticas e regionais: arquivos fora do eixo”, às 11h15, vai tratar dos problemas e estratégias de ação para a preservação audiovisual nas regiões nordeste, sul e centro-oeste do país, com a participação de Betty Lacerda, coordenadora geral do Centro de Documentação e de Estudos da História Brasileira, da Fundação Joaquim Nabuco (PE); Denize Gonzaga, diretora de Acervo da Associação Cultural Cinemateca Catarinense (SC);  Ester Kimura, gerente de tratamento e preservação de acervo audiovisual do Arquivo Público do Distrito Federal (DF); e Marcos Sabóia, responsável pelo acervo da Cinemateca de Curitiba (PR). Eles serão mediados pela coordenadora do Núcleo de Memória do Dimas/Funceb (BA), Simone da Invenção Lopes.

Às 17h30, a pauta seráO modelo de gestão via organizações sociais (OS)”, que discutirá até que ponto esse modelo de gestão está desenvolvido e tem demonstrado sua eficácia. No centro do debate, o profissional Alvaro Malaguti, da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (DF), Laura Bezerra, professora adjunta do Centro de Cultura, Linguagens e Tecnologias Aplicadas da UFBA e membro da ABPA e mediação da secretária da ABPA, Débora Butruce.

CASES DE RESTAURO

No dia 18, domingo, às 9h30, o espaço é para os estudos de casos de restauração. Será apresentado o processo de restauro do Acervo Capixaba – Orlando Bomfim, netto”, que tratará do projeto de restauração, digitalização e circulação da obra documental do cineasta, o primeiro a registrar sistematicamente, a partir da década de 1970, aspectos da cultura do Espírito Santo em documentários que se tornaram peças importantes do patrimônio histórico e da cinematografia capixabas. Além do documentarista, participam do encontro Alexandre Rocha, sócio-fundador da Afinal Filmes (RJ) e Vitor Graize, produtor e diretor, da Pique-Bandeira Filmes (ES). Serão exibidos na 13ª CineOP, cinco curtas que integram o acervo restaurado do cineasta Orlando Bomfim, netto.

Na sequência, será apresentado o projeto de restauro do longa “O Atalante”, obra seminal do cineasta francês Jean Vigo. Completamente manipulado e alterado após a morte do cineasta, o filme é apresentado em versão mais próxima daquele finalizado por Vigo em 1934. Foi restaurado digitalmente em 4K a partir de cópias de época, negativos originais e cópias de restauros precedentes. O trabalho foi supervisionado pelo historiador Bernard Eisenschitz e realizado pelo laboratório L'ImmagineRitrovata, sob os auspícios da Gaumont, da FilmFondation e da CinémathèqueFrançaise. O case será apresentado pela francesa Céline Ruivo, diretora e curadora de acervo da Cinemateca Francesa e coordenadora da Comissão Técnica da Fiaf, com mediação de Ines Aisengart Menezes, curadora Temática Preservação. O filme restaurado será exibido na programação da 13ª CineOP, no 17 de junho, domingo, às 20h15, no Cine Vila Rica.

INDÚSTRIA, MERCADO E ARQUIVOS

Uma das novidades do Encontro de Arquivos é o debate Fronteiras entre a indústria, Mercado e arquivos – Tecnologias” que reunirá representantes da indústria audiovisual para apresentar as novidades tecnológicas para a preservação. Integram a mesa, Erick Soares, engenheiro expert em Tecnologia da Sony; Roberto Carminatti, CTO da Piql Américas; e Rita Marques, diretora da Garimpo –Gerenciamento de Conteúdo e Curadoria Digital, com mediação de Rodrigo Mercês, coordenador de preservação e laboratório da Cinemateca Brasileira. Este debate pretende estabelecer diálogo entre as empresas prestadoras de serviços de fornecedoras de materiais e os arquivos audiovisuais, onde demandas e necessidades possam ser trocadas para um melhor entendimento entre os diferentes agentes do setor.

O último debate será “Fronteiras entre a indústria, mercado e arquivos – conteúdo, fomento e regulação”, que conta, pela primeira vez, com a presença do dirigente principal da Ancine – Agência Nacional de Cinema. Estará presente Christian de Castro, diretor-presidente da Ancine; Marco Altberg, da Associação Brasileira de Produtores Independentes de TV – ABPITV, e André Saddy, diretor de conteúdo e comunicação do Canal Brasil. A mediação será feita por Flávio Pougy, advogado especialista em Direito do Entretenimento.

MASTER CLASS E WORKSHOP INTERNACIONAIS

O Encontro Nacional de Arquivos vai reunir também dois importantes nomes da cena da preservação mundial – o multiartista Bill Morrison (EUA) que trabalha na fronteira entre as artes plásticas e o cinema. Ele vai ministrar a master class “PROCESSO DE CRIAÇÃO, PESQUISA E OS ARQUIVOS AUDIOVISUAIS”. Nesta master class teremos a oportunidade de dialogar com Morrison sobre seu processo de criação, suas pesquisas sobre os materiais e sobre sua relação com os arquivos audiovisuais, sobretudo a partir de sua última obra: Dawson City: Tempo Congelado (Dawson City: Frozen Time, EUA, 2016, 120 min.).

Céline Ruivo (França), integrante da Fédération Internationale des Archives du Film e diretora na Cinemateca Francesa, irá compartilhar suas experiências no workshop internacional sobre a Comissão técnica da Federação Internacional de Arquivos Fílmicos - FIAF, da qual é coordenadora. Os participantes poderão conhecer sobre a atuação da Comissão Técnica da FIAF por meio de pesquisas, publicações, recomendações e ações de formação em torno de práticas de conservação, preservação e restauração fotoquímica e digital, no âmbito dos arquivos filiados à FIAF. José Quental – Curador da Temática Preservação (RJ), será responsável pela mediação.

ENCONTRO DA EDUCAÇÃO: X FÓRUM DA REDE KINO

A programação do Encontro da Educação: X Fórum da Educação irá enfocar a temática central “Escola: Memórias do Futuro” e tem o propósito de fazer uma homenagem às escolas, fundamentalmente às escolas públicas, pois elas, como nenhum outro espaço/tempo têm uma poderosa capacidade de construir e guardar a história no ato de estarmos atentos ao presente como gesto de desejo de futuro. As atividades oferecidas são gratuitas e compostas de: debates, estudos de casos, workshops, diálogos da educação, apresentação de projetos audiovisuais e filmes que integram a Mostra Educação.

No sábado, dia 16, a partir das 9h45, serão apresentados os estudos de casos “A escola no cinema”, com o tema “Cinema e Educação: a Escola no Cinema”, como uma possibilidade sensível de reflexão crítica e criativa. Compartilharão suas bem sucedidas experiências as convidadas Cecília Cirillo, Cecília Etcheverry, ambas do Programa Cineduca do Uruguai, Inês Teixeira (MG) e Maria Angélica dos Santos (RS), respectivamente, da Rede Kino e do Programa de Alfabetização Audiovisual, que completam uma década em 2018, além de Milene Gusmão, do Janela Indiscreta (BA) que completa 30 anos. O debate será mediado por Juliana Costa, coordenadora da Rede Kino.

Às 14h30, o debate Diálogos Cinema e Educação: cadê a escola que estava aí?” abordará em que medida o cinema pode contribuir para o reconhecimento da escola como tempo livre e espaço público, além de abranger temas como a função que a Lei 13.006 e a elaboração de um Plano Nacional de Cinema na Escola teriam nesse sentido. Participam da discussão Karen Rechia, professora da UFSC (SC), Maximiliano López, professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFJF (MG) e Solange Stecz, doutora em educação e professora da UNESPAR (PR). Cezar Migliorin, professor da UFF (RJ), será o mediador.

No dia 18, às 14h45, o debate “Um plano, uma aula” tratará do conceito de plano de aula como roteiro guia do docente, como uma síntese de seu olhar preparado, atento e sensível ao mundo. E o conceito de plano de cinema como aquela unidade menor com sentido no filme e sua potência como aula de cinema. A mesa será composta pelo convidado espanhol Jorge Larrosa, professor, autor e ensaísta, e pelo cineasta Cristiano Burlan, com mediação de Adriana Fresquet, curadora da temática Educação (RJ).

WORKSHOP INTERNACIONAL

Uma das presenças mais aguardadas do evento é a do professor, autor e ensaísta Jorge Larrosa (Espanha). Tem estudos e pesquisas nas relações da experiência com linguagem, subjetividade e ensino. Atualmente se dedica às materialidades e práticas que constituem dispositivos pedagógicos (escolas, bibliotecas e museus, entre outros). Tem transitado entre diversas manifestações artísticas, especialmente as artes plásticas, e é autor de livros sobre as relações da criação com a educação.

Entre as atividades das quais ele irá participar durante o evento, destacamos o workshop internacional com o tema “Revelação da Escola” com conteúdo e enfoque no cinema e arte como procedimentos para revelar ou trazer à presença a materialidade e forma da escola (seus espaços, seus tempos, seus objetos, suas atividades, seus sujeitos, seus gestos). Cinema e arte como procedimentos para desenvolver um olhar amoroso da escola e transformar a escola em objeto de estudo, ou seja, de atenção e cuidado. Os conceitos a serem desenvolvidos em relação ao cinema e à arte serão: revelação, presença, materialidade, forma, gesto, amorosidade, atenção e estudo.

PROJETOS AUDIOVISUAIS

O público poderá conferir as três sessões que irão apresentar a seleção de 15 projetos audiovisuais educativos comunitários representativos de sete estados brasileiros: Goiás, Minas Gerais, Paraíba, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

A sessão 1, a ser realizada no dia 14, às 16h, reúne projetos com o tema “O que é uma escola?” e buscam reflexões vivas sobre a ideia da escola como tempo livre e espaço público; a sessão 2, dia 17, às 17h30, traz como foco a “Escola, memória e ficção”, que visa refletir a construção da história e da memória da escola; e, por último, a sessão 3, marcada para o dia 18, às 9h30, aborda “Potência pedagógica das coisas (da escola)”, que abrange projetos orientados para reflexões a partir de objetos, espaços, arquitetura e tempos escolares.

Esses projetos selecionados serão apresentados e debatidos, com a mediação dos coordenadores da Rede Kino, Luis Gustavo Guimarães, Katharine Diniz e Liana Lobo, e tem como foco em refletir sobre a produção e a circulação de conteúdos para mídias digitais, cinema e televisão, pautados por processos de produção audiovisual escolar.

MOSTRA EDUCAÇÃO

A produção dos curtas da Mostra Educação foi inspirada no Abecedário da Educação, proposto pelo professor Jorge Larrosa, da Universidade de Barcelona (Espanha), convidado especial da 13ª CineOP. Os curtas foram locados em uma letra do abecedário e cada letra seguida de uma palavra, constituindo-se de forma colaborativa, o abecedário comemorativo dos 10 anos da Rede Kino – Rede Latino-Americana de Educação, Cinema e Audiovisual. Os 96 filmes selecionados, com até 3 minutos cada, enfocam o tema “Escola: memórias do futuro” e representam oito estados brasileiros – Bahia, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo – apresentando e valorizando aspectos narrativos e culturais de diferentes regiões.

A Mostra Educação pretende dar destaque aos processos colaborativos e horizontais, nos quais os estudantes tenham atuado em situações de protagonismo e ocupado efetivamente o lugar de articuladores dos materiais elaborados, filmados e editados. A seleção busca, ainda, fornecer elementos para a criação de um encontro entre distintas práticas pedagógicas ligadas ao audiovisual no ambiente escolar, sendo este o foco do Encontro da Educação: X Fórum da Rede Kino.

Os filmes da Mostra Educação serão exibidos em três sessões: Sessão 1 - dia 15, às 16h30, no Cine-Teatro do Centro de Convenções; Sessão 2 - dia 16, às 19h15, no Cine-Praça; e Sessão 3, dia 18/06, às 12h, no Cine-Teatro.