PRESENÇAS INTERNACIONAIS NA 13a CINEOP COMPARTILHAM EXPERIÊNCIAS DE PESQUISA, EDUCAÇÃO, PRESERVAÇÃO E DIFUSÃO DE ARQUIVOS

A 13a CineOP – Mostra de Cinema de Ouro Preto vai levar à cidade histórica mineira seis importantes presenças internacionais para comporem as mesas de debate e participarem de diversas outras atividades da programação que acontece de 13 a 18 de junho. Os profissionais internacionais contribuirão em discussões das temáticas Preservação e Educação.  Sob o recorte das “fronteiras do audiovisual”, o primeiro eixo, preservação, propõe uma série de encontros e discussões em torno do conceito central aplicado ao universo das imagens em movimento e da restauração e preservação de acervos. Os convidados internacionais desta temática são o norte-americano Bill Morrison, a colombiana Juana Suárez e a francesa Céline Ruivo. Já o segundo eixo, Educação, propõe este ano um enfoque às escolas, fundamentalmente às escolas públicas, destcando a sua poderosa capacidade de construir e guardar a história no ato de estarmos presentes e atentos ao presente como gesto de desejo de futuro. Os convidados internacionais deste eixo são o espanhol Jorge Larrosa e as uruguaias Cecilia Etcheverry e Cecilia Cirillo.


CONVIDADOS | TEMÁTICA PRESERVAÇÃO


BILL MORRISON
(EUA) – diretor, produtor, escritor e editor

Multiartista que trabalha na fronteira entre as artes plásticas e o cinema. Realiza obras para museus, galerias e salas de exibição de festivais e cinematecas. O principal interesse de seus trabalhos – e que torna o realizador um “artista arqueólogo”, definição constante sobre sua atuação na área – é justamente a preservação, sempre com o uso de fragmentos de filmes, suportes em decomposição e imagens do passado reconfiguradas. Olhando para o cinema como uma reunião de imagens mitológicas, Morrison se vale de incontáveis acervos à disposição para desenvolver seus projetos no audiovisual.

Na 13a CineOP, o multiartista vai exibir o longa-metragem Dawson City – Tempo Congelado, filme de 2016 que tem percorrido importantes festivais em todo o mundo. Morrison faz uso de uma coleção de 533 filmes, realizados entre as décadas de 1910 e 1920, que estiveram perdidos por 50 anos e foram encontrados numa escavação na região ártica do Canadá. Munido dessas imagens, o cineasta reconta a corrida do ouro na região a partir de registros históricos do Círculo Ártico nunca vistos até então.

Além da exibição de Dawson City – Tempo Congelado, Bill Morrison vai ministrar uma master class com o tema  “Processo de Criação, Pesquisa e os Arquivos Audiovisuais. No encontro, o norte-americano vai conversar sobre seus trabalhos no uso de imagens de arquivo de diversas naturezas, tanto na conservação quanto na apropriação em trabalhos de montagem e reconfiguração de sentidos que marca a sua obra.


JUANA SUÁREZ
(Colômbia) – professora, pesquisadora, crítica, arquivista

Atua com pesquisas na área de arqueologia fílmica, memória audiovisual e estudos fílmicos latino-americanos. Organizadora e participante do APEX (Archival Exchange Program). Professora no departamento de Estudos de Cinema da New York University’s Tisch School of the Arts, Juana vai participar, durante a 13ª CineOP, da mesa de debate com o tema “Fronteiras do Patrimônio Audiovisual: Formação, produção e preservação no âmbito universitário”.

Com a experiência de ter trabalhado também no Anthology Film Archives, de já ter ministrado diversos cursos sobre patrimônio audiovisual, de ter coordenado o processo de restauração dos filmes do cineasta colombiano Carlos Mayolo (1945-2007) e de ter atuado na FIAT (International Feferation of Television Archives) e no Ministério da Cultura da Colômbia na preservação de arquivos, Juana Suárez vai compartilhar seus conhecimentos no ensino e na prática de pesquisa e manutenção de acervos a partir de disciplinas ministradas em cursos acadêmicos.


CÉLINE RUIVO
(França) – curadora da Cinemateca Francesa e coordenadora da Comissão Técnica da FIAF

Integrante e coordenadora da Comissão Técnica da Fédération Internationale des Archives du Film ( FIAF) desde 2016 e curadora da Cinemateca Francesa. Trabalhou no departamento de restauração dos laboratórios da Éclair,  participou do processo de restauração de O Atalante, longa-metragem inacabado dirigido por Jean Vigo em 1934. Vigo morreu sem conseguir concluir seu projeto mais ambicioso.

Considerado um mito da vanguarda francesa e um dos filmes de maior influência em todo o cinema mundial, O Atalante terá exibição especial na programação da CineOP, acompanhado de apresentação de Céline Ruivo sobre o processo de restauração e difusão.

Durante a mostra, Céline também vai ministrar o workshop “Fronteiras Internacionais: A Comissão Técnica da FIAF” . Em 2018 a Federação Internacional de Arquivos Fílmicos (FIAF) completa 80 anos de existência. Criada em 1938, pela Cinemateca Francesa, Film Library do MoMA, pelo British Film Institute e pelo Reichsfilmarchiv da Alemanha, a FIAF desempenhou ao longo dessas oito décadas um papel fundamental para a proteção do patrimônio cinematográfico mundial. Celine vai apresentar a experiência de coordenar um setor estratégico da FIAF. Seu trabalho consiste na realização de pesquisas, publicações, recomendações e ações de formação em torno de práticas de conservação, preservação e restauração fotoquímica e digital, no âmbito dos arquivos filiados à FIAF e sobre o qual ela vai apresentar detalhes durante o workshop.

CONVIDADOS | TEMÁTICA EDUCAÇÃO

JORGE LARROSA (Espanha) – professor, autor e ensaísta

Professor de Filosofia da Educação, tem estudos e pesquisas nas relações da experiência com linguagem, subjetividade e ensino. Atualmente se dedica às materialidades e práticas que constituem dispositivos pedagógicos (escolas, bibliotecas e museus, entre outros). Tem transitado entre diversas manifestações artísticas, especialmente as artes plásticas, e é autor de livros sobre as relações da criação com a educação.

Na 13ª CineOP, Larrosa vai ministrar um workshop internacional com o tema “Revelação da Escola” com conteúdo e enfoque no cinema e arte como procedimentos para revelar ou trazer à presença a materialidade e forma da escola (seus espaços, seus tempos, seus objetos, suas atividades, seus sujeitos, seus gestos). Cinema e arte como procedimentos para desenvolver um olhar amoroso da escola e transformar a escola em objeto de estudo, ou seja, de atenção e cuidado. Os conceitos a serem desenvolvidos em relação ao cinema e à arte serão: revelação, presença, materialidade, forma, gesto, amorosidade, atenção e estudo. 

Na programação, Larrosa participa também da sessão dos filmes que acompanham o livro Elogio da Escola(2017), que será lançado no evento, cuja proposta é repensar e valorizar a escola como tempo livre e espaço publico. Em 2016,   Larrosa gravou um Abecedário de educação chamado O de ofício de professor, que também será exibido e comentado pelo autor.

Uma terceira atividade de Larrosa na 13ª CineOP será a participação na mesa “Um plano, uma aula”, junto com o cineasta Walter Carvalho. Os dois vão discorrer sobre a noção de “plano” no âmbito do cinema e do ensino: plano de aula como roteiro-guia do docente, que o liberta para formar o quadro, a imagem, o imprevisto, a síntese de seu olhar preparado, atento e sensível ao mundo; de outro lado, o plano de cinema como a unidade menor de sentido num filme, levando-o, no conjunto, a toda a sua potência.


CECILIA ETCHEVERRY
e CECILIA CIRILLO (Uruguai) – representantes do programa CINEDUCA, do Uruguai

O Programa uruguaio CINEDUCA foi criado como um projeto de investimento e inovação educacional em 2009, visando proporcionar educação audiovisual a todos os alunos e professores do Conselho de Treinamento em Educação (CFE), instituição responsável pela formação de profissionais de educação em seu país. Responsável pela coordenação pedagógica do CINEDUCA, Cecilia Etcheverry é uma das representantes da organização na 13ª CineOP. Com especialização em instituições de mundiais de renome, como Universidade de Cambridge e FLACSO na Argentina, desenvolveu pesquisas com cinema em cursos e oficinas da Cinemateca Uruguaia onde realizou experiências em educação audiovisual com crianças e adolescentes. A coordenadora técnica do CINEDUCA Cecilia Cirillo completa o time de representantes da organização no evento.

Com suas vivências na coordenação do programa Cineduca, que atua especialmente no desenvolvimento de habilidades em educação e comunicação audiovisual como uma parte constituinte do professor, promovendo ferramentas e sensibilidades de compreender e expressar essa linguagem, as profissionais uruguaias  participarão dentro da programação da 13ª CineOP da mesa “Cinema e Educação: A Escola no Cinema”, que propõe discutir a escola no cinema como uma possibilidade sensível de reflexão crítica e criativa.