Para nós que vivemos nos cafundós do Brasil, os eventos virtuais são a grande janela. Nos últimos meses assisti mais de 40 filmes brasileiros, sessões impossíveis se fossem no espaço físico.

Adriano Luiz Reis – em comentário no youtube durante Debate Inaugural

Esta edição da CineOP foi uma celebração da ré-existência em tempo de cólera, quando nossa cultura sofre ataque direto do governo contra a sociedade. CineOP decidiu assumir a frente de combate pelo audiovisual quando a história do Cinema brasileiro é posta em questão, e repete o dilema’ tupy or not tupy’.

Ailton Krenak – liderança indígena, escritor e filósofo – Destaque da Temática Educação da 15ª CineOP | MG

Estou na expectativa de um festival online que eu nunca participei. Uma coisa muito nova para mim e imagino que para muita gente, mas curiosa para entender como vai ser a reação do público. Com a minha experiência em festivais presenciais fico aqui pensando como que vai ser isso e adoraria que fosse um festival presencial nessa cidade linda que é Ouro Preto. Ver meu filme no telão é sempre uma emoção imensa, mas vamos ver como isso vai ser. Total expectativa.

Alvarina Souza Silva – diretora do filme O Filme da Minha Vida | RJ

Consegui acompanhar coisas muitas interessantes. Achei o catálogo maravilhoso, uma composição de atividades, falas, conversas, depoimentos, testemunhas e palestras. Achei um quebra cabeça maravilhoso, muito bem organizado, muito bem elaborado e uma programação fantástica. Muito obrigado pela hospitalidade.

Carlos Skliar – investigador principal del Instituto de InvestigacionesSociales de América Latina (Iicsal), Flacso-Conicete vice-presidente enejerciciodel PEN (Poetas, Ensayistas, Narradores) | Argentina

A edição online permitiu que mais pessoas pudessem acompanhar o evento e, principalmente, participar das atividades de formação. Uma pena que, devido ao cenário mundial, o evento não pôde ser realizado em Ouro Preto, mas acredito que esta barreira foi superada e de uma maneira muito positiva. A oficina que participei (Planejamento de Produção de Séries) foi excelente! A Mariana Brasil foi generosa, educada, didática e apresentou um ótimo conteúdo. As aulas me proporcionaram a possibilidade de entender ainda mais o mercado por meio de um pensamento crítico e empático. Que mais pessoas tenham acesso a atividades de formação (e gratuitas! <3) como essa.

Carol Almeida – participante da oficina Planejamento de Produção de Séries | MG

Participo da Mostra de Cinema de Ouro Preto desde 2008, ou seja, há 12 anos. Em 2020, com a CineOP completando 15 anos, aproveito para rememorar minha própria trajetória como profissional da área de preservação audiovisual e o quanto esses encontros me enriqueceram. Ao longo desse tempo, minha participação no Encontro de Arquivos e Acervos Audiovisuais Brasileiros possibilitou, além do aprofundamento e compartilhamento de conhecimentos sobre o campo, algo precioso, nosso reconhecimento enquanto grupo. Mesmo ocorrendo no ambiente virtual, a força imensa das ações coletivas se fez presente também nesse ano. Vida longa à CineOP. 

Débora Butruce – preservadora audiovisual e vice-presidente da ABPA| SP

No ano em que a TV comemora 70 anos no Brasil, a CineOP propiciou o contato com arquivos, reflexão sobre acervos e sobre a enorme diversificação de plataformas que vivemos nos últimos anos. Na versão online do festival perdemos a convivência no território especial que é Ouro Preto, mas ganhamos no envolvimento dos participantes com os imensos desafios que estão diante de nós em busca da vida mais conectada com o ambiente entendido a partir do potencial multi-sensorial nosso e de nossas mídias.

Esther Hamburger – professora USP – mediadora do debate “TV, Rádio e Vídeo na Educação” | SP

Está é minha segunda CineOP; ano passado, tive a experiência em Ouro Preto e agora, totalmente online. Fui convidada pela curadoria de preservação para falar sobre a cinemateca brasileira e escrevi um artigo no catálogo. O festival me possibilitou criar novos laços profissionais, me associar à ABPA e contribuir para a construção de um setor mais fortalecido!

Fabiana Ferreira – Instituto Brasileiro de Museus/Ministério do Turismo|SP

A oficina é um espaço muito bom de troca, principalmente neste momento em que estamos vivendo de quebra de paradigmas, de mudança para múltiplas telas, de produção e consumo. A oficina discutiu isso. Como pensar novos formatos midiáticos de produção e narrativas de filmes, séries, web séries e games. Além de como existe um ecossistema que pode ser interligado ou não e que nos faz pensar novas formas. É muito potente estar reunido com pessoas de todo o Brasil para discutir isso e trazer novas perspectivas e realidades. Existe uma potência nisso tudo e neste momento é tudo que precisamos.

Gustavo Padovani – Oficina A Criação de Roteiros Audiovisuais para Multiplataforma | SP

A edição virtual da CineOP foi um desafio muito especial. Eu pude criar cenários, inventei até uma luminária para ajudar. Criei vários recursos com minha pesquisa “O que queremos para mundo”, que é de uma comunidade de educadores do audiovisual com crianças nas telas. Pude compartilhar uma série de relatos da nossa experiência audiovisual. Eu sou muito grato pois há mais de dez anos realizo oficinas com a Universo.

Igor Amin – Oficina Como Educar as Crianças no Mundo das Telas? | MG

Eu quero declarar uma alegria muito grande de ver o meu filme Wilsinho Galileia sendo analisado e divulgado pela CineOP e ao mesmo tempo me colocar alguma mesa espetacular para discutir formas novas que nós usamos para fazer trabalhos. Quero agradecer a CineOP por essa participação, por estar colocando de novo meu filme em exibição, que foi proibido pelos militares na época.

João Batista de Andrade – diretor do filme Wilsinho Galileia| SP

Quero registrar a importância da Universo Produções em fomentar conhecimento no Brasil. O desenho do Festival que vocês realizam é revolucionário. Sou imensamente grata. Parabéns!

Rachel Aguiar Estevam do Carmo – participante da oficina Planejamento de Produção de Séries | RJ

Foi muito bom participar do debate sobre o restauro desse grande filme que é Pixote; é um trabalho que precisa ser conhecido pelos mais jovens, sem dúvida. Acho que todos nós, participantes do debate, estávamos conscientes da importância de falar sobre esse trabalho no contexto da Mostra CineOP. São raros os festivais ou mostras que se dedicam ao debate de questões mais técnicas ligadas ao restauro e à preservação. A Mostra CineOP vai se tornando a nossa versão antropofágica de Il Cinema Ritrovatto, feito em Bolonha. Espero poder retornar em outras edições, vida longa ao CineOP!

Roberto Gervitz – cineasta | SP

Estou muito feliz e honrada de participar deste evento. Se por um lado estou lamentando muito não poder ir a Ouro Preto encontrar e conversar ao vivo com os meus colegas, por outro lado, estou comemorando o fato de qualquer pessoa, em qualquer lugar do Brasil ou fora daqui poderá ter acesso a essa programação incrível. Pra quem gosta de cinema nem tudo é prejuízo e desvantagem nesta situação terrível que a gente está vivendo.

Suzana Macedo – diretora do filme Seres, Coisas, Lugares | RJ

Foi uma honra e um prazer fazer parte da 15ª CineOP junto com o grupo TVDO. Desde o título/tema CINEMA DE TODAS AS TELAS, já mostrava a ousadia e contemporaneidade do seu horizonte de ação. Um espaço que abriga o cinema, mas está atento a todos os seus desdobramentos culturais e tecnológicos. CINEMA E/OU TV, TVDO CONFORME A TELA QUE SE VÊ! Mesmo estreando no formato online total, conseguiu se estruturar e comunicar muito bem. Parabéns a todes envolvides! Foi uma tarefa gigantesca. Palmas, palmas, palmas.

Tadeu Jungle –  roteirista e diretor de cinema, TV e realidade virtual | SP

​Muito bacana, vim pois vi a divulgação no jornal, e a linguagem está bem clara. Parabéns aos criadores por permitir até quem não entende do assunto se sentir dentro do assunto e permitir que interagirmos.

Talita Reisem comentário no youtube durante Debate Inaugural