Novos olhares em formação

Na grade de programação da TV UFOP, a Mostra de Cinema de Ouro Preto – CineOP também estará presente com duas sessões de curtas-metragens realizados em universidades e escolas de formação de cinema e audiovisual. São oito produções realizadas em universidades e escolas de formação de cinema e audiovisual de diferentes estados do Brasil, como Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo.

A primeira sessão abre com a ficção Através dos sentidos, realizada por Gilson Nascimento, no Núcleo de Cinema João Uchoa, da Universidade Estácio de Sá, no Rio de Janeiro. O ator Milton Gonçalves interpreta um homem que ficou tetraplégico, após um assalto, e que revive momentos do passado ao morar na casa da filha. Dirigido por Lucílio Jota, na PUC do Rio de Janeiro, Tecido, Sigilo é um documentário que reflete sobre a forma como corpos pretos são percebidos no espaço público pela roupa que vestem.

Com uma colagem de trechos de vários filmes, Para além das tragédias é um ensaio do realizador Rafael Oliveira, da Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB), sobre seu amor ao cinema. Da Universidade Federal de Minas Gerais, Não vim no mundo para ser pedra, de Fabio Rodrigues Filho, encerra a sessão com uma homenagem ao ator Grande Otelo e sua presença na história do cinema brasileiro.

Realizado também na UFRB, o documentário Mondo Cacho, de Matheus Leone, abre a segunda sessão com relatos de estudantes do curso de Cinema e Audiovisual da instituição sobre suas vivências em Cachoeira, na Bahia. Dirigido por Mateus Rameh na Universidade Federal Fluminense (UFF), Lá e de volta outra vez é um documentário sobre memórias a partir de uma viagem de volta para a cidade natal do realizador.

Da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Lauren Mattiazzi Dilli dirige Cartas enquanto há tempo, a partir de uma troca de correspondências com um jovem candidato a vereador. A sessão encerra com o curta de ficção da Universidade de São Paulo (USP), Terra farta, co-direção de Charles dos Santos e Gustavo Maan, que acompanha a relação tensa entre mestre e aprendiz em meio à mata tropical.

Camila Vieira

Curadora