07/09 | segunda | 16h

A Cinemateca Brasileira possui o maior acervo audiovisual da América do Sul, preservando a história e identidade brasileira. Desde sua criação, há 74 anos, ela tem enfrentado dificuldades de diferentes proporções, refletidas em quatro incêndios, sendo o último em 2016. A crise atual é considerada a pior: sem contar com repasse do governo federal em decorrência de um imbróglio administrativo, com a suspensão de serviços essenciais, ausência de pagamento de salários à sua equipe técnica há cinco meses e a consequente ameaça ao acervo.  O desmonte e descaso do governo federal coloca em risco o patrimônio público e, sobretudo, a própria existência da instituição. Existe saída para essa crise? Como garantir a necessária constância dos trabalhos neste patrimônio público? Como preservar a Cinemateca Brasileira?

Convidados:

Carlos Augusto Calil – cineasta e ex-diretor executivo da Cinemateca Brasileira | SP
Débora Butruce – preservadora audiovisual e vice-presidente da ABPA | SP
Fabiana Ferreira – Instituto Brasileiro de Museus / Ministério do Turismo | DF

Mediadora: Eloá Chouzal – pesquisadora audiovisual e de conteúdo | SP