Além de  extensa programação presencial, a CineOP  vai promover sessões de cinema, masterclasses e debates para o público participar de qualquer lugar do mundo pela plataforma  cineop.com.br

A 17ª CineOP – Mostra de Cinema de Ouro Preto, que acontece de 22 a 27 de junho, tem programação presencial e online com acesso aberto e gratuito para o mundo. A programação está estruturada em três eixos temáticos – preservação, história e educação e quem não puder estar em Ouro Preto para viver a temporada audiovisual recheada de atrações, vai poder assistir e participar de forma online da programação que estará disponível pela plataforma cineop.com.br  

São filmes, debates, case de restauro e masterclass internacional com sinal aberto para o mundo, de qualquer dispositivo e de forma gratuita.  Confira abaixo as atividades que estarão online:

PROGRAMAÇÃO ONLINE  | ACESSE CINEOP.COM.BR

  • TEMÁTICA PRESERVAÇÃO

CASE DE RESTAURO

Tema:  “A Guerra Civil na Rússia pela câmera de Dziga Viértov e o restauro do filme 100 anos depois”

Apresentação histórica feita por Luis Labaki sobre a obra de Viértov, com o objetivo de mostrar ao público o conjunto macro da produção a qual pertence o filme responsável pelo caso de restauro deste ano. Exposição do restaurador e historiador, Nikolai Izvolov, destacando as condições de pesquisa e escolhas técnicas que levaram ao resultado final, cem anos depois da realização do filme.

Convidado Internacional: Nikolai Izvolov (Rússia) – Restaurador do filme “A história da guerra civil”

Mediador: Luiz Labaki – SP – cineasta e pesquisador especialista na obra de Vertov, tradutor e organizador do livro “Cine-Olho: manifestos, projetos e outros escritos”, coletânea de textos de Dziga Viértov

MASTERCLASS INTERNACIONAL

Tema: “Perdemos a corrida contra o tempo? A seleção como estratégia para priorizar a preservação e arquivos sonoros e audiovisuais em risco de desaparecer”

A masterclass vai abordar questões da “seleção” como uma etapa estratégica nos processos internos do arquivo audiovisual, tanto no mundo analógico quanto no digital. Por mais controversa que seja a ideia de selecionar obras culturais, a realidade é que cotidianamente o arquivista é obrigado a fazer escolhas ao priorizar um título ou outro para receber tratamentos técnicos, ser duplicado, restaurado, digitalizado ou mesmo armazenado e em quais condições.

Convidada internacional: Perla Olivia Rodriguez – pesquisadora do Instituto de Investigaciones Bibliotecológicas y de la Información de la UNAM (Universidad Nacional Autónoma de México) | México

Mediadora: Fernanda Coelho – Curadora da Temática Preservação | SP

  • Estará disponível na plataforma www.cineop.com.br partir do dia 22 de junho, às 14h

EXIBIÇÃO DE FILME  | LONGA

São Paulo Hi-Fi”, de Lufe Steffen (documentário digital, cor, 101 minutos, SP, 2016)

Documentário que resgata a era de ouro da noite gay paulistana nas décadas de 60, 70 e 80 – com as casas noturnas, as transformistas, os militantes, em plena época da ditadura militar.

  • Estará disponível na plataforma www.cineop.com.br de 25 de junho, às 24h a 26 de junho, às 23h59
  • TEMÁTICA HISTÓRICA

EXIBIÇÃO DE FILMES

CURTAS – MOSTRA HOMENAGEM

  • “Mbyá Rembiapó Nhemombe’u – Arte Mbyá-Guarani e suas Histórias”, de Kuaray Poty – Ariel Ortega (documentário digital, cor, 28 minutos, RS, 2015)
  • “Mokoi Tekoá, Petei Jeguatá – Duas Aldeias, uma caminhada”, de Kuaray Poty – Ariel Ortega, Germano Beñites e Jorge Morinico (documentário, cor, 63 minutos, RS, 2008)
  • “Tava, a Casa de Pedra”, de Pará Yxapy –  Patricia Ferreira, Kuaray Poty – Ariel Ortega, Ernesto de Carvalho e Vincent Carelli (documentário digital, cor, 78 minutos, Brasil/Argentina, 2012)

CURTAS – MOSTRA HISTÓRICA

  • “A Gente Luta mas Come Fruta”, de Wewito Piyãko, Isaac Pinhanta (documentário digital, cor, 40 minutos, AC, 2006)
  • “A’e Mimiu Haw – A História dos Cantos”, de Dejamilson Guajajara, Pollyana Guajajara, Jacilda Guajajara, Lemilda Guajajara (documentário digital, cor, 27 minutos, MA, 2019)
  • “Ava Marangatu”, de Genito Gomes, Valmir Gonçalves Cabreira, Jhonn Nara Gomes, Jhonatan Gomes, Edina Ximenez, Dulcídio Gomes, Sarah Brites, Joilson Brites (documentário digital, cor, 15 minutos, MG, 2016).
  • “Awotsi Yorenkatsi Tasori”, de Wewito Piyãko (documentário digital, cor, 42 minutos, Brasil/Peru, 2015)
  • “Kaiser Wilhelm Institut Für Anthropologie Tupiniquim”, de Denilson Baniwa (documentário digital, P&B, 9 minutos, RR, 2019)
  • “Nuke Kuî – Barreira”, de Mauro Môxha (documentário digital, cor, 52 minutos, AC, 2014)
  • “Pi’õnhitsi, Mulheres Xavante Sem Nome”, de Tiago Campos Torres, Divino Tserewahú (documentário digital, cor, 56 minutos, RR, 2009)
  • “Pirinop, Meu Primeiro Contato”, de Mari Corrêa e Karané Ikpeng (documentário digital, cor, 83 minutos, MT, 2007)
  • “Política e Tradição-Carta Kuikuro”, de Marrayury Jair Kuikuro (documentário digital, cor, 11 minutos, 2016)
  • Shuku Shukuwe – A Vida É Para Sempre”, de Ikamuru Huni Kuin – Agostinho Manduca Mateus Kaxinawá (documentário digital, cor, 43 minutos, MG, 2012)
  • “Tatakox – Aldeia Vila Nova”, de Comunidade Maxakali Aldeia Nova do Pradinho (documentário digital, cor, 21 minutos, MG, 2009)
  • “Topawa – Rede”, de Kamikiakisêdjê, Simone Giovine (documentário digital, cor, 7 minutos, 2019)
  • “Vamos à Luta”, de Divino Tserewahú (documentário digital, cor, 18 minutos, RR, 2006)
  • “Wapté Mnhõnõ, Iniciação do Jovem Xavante”, de Divino Tserewahú (documentário digital, cor, 56 minutos, MT, 1999)
  • “Wehsé Darasé – Trabalho da Roça”, de Larissa Ye’padiho Duarte Tukano (documentário digital, cor, 24 minutos, MG, 2016)
  • TEMÁTICA EDUCAÇÃO

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS AUDIOVISUAIS EDUCATIVOS E DEBATE | SESSÃO LATINA

Projeto: Mi Cine Mi Mundo – Plataforma de cine infantil (Equador)

Instituição: Casa de la Cultura Núcleo de Loja

Apresentação: Altaira Rojas

Projeto: Taller de documental autobiográfico (Chile)

Instituição: Programa Escuela al Cine de la Cineteca Nacional de Chile

Apresentação: Natália Mardones

Projeto: El cine como gestión del afecto (Argentina)

Instituição: Alero, Nacer hasta los 100 años; La Redonda, Arte y Vida Cotidiana

Apresentação: Eliana Cordoba e Mercedes Rondina

Projeto: Rodando Fantasías (Cuba)

Instituição: Programa Escuela al Cine de la Cineteca Nacional de Chile

Apresentação: César Ramón Irigoyen Milian

MOSTRA EDUCAÇÃO | EXIBIÇÃO DE FILMES

PROGRAMA MIGUEL HILARI – APRESENTAÇÃO DE FILMES DO DIRETOR

  • “O Curral e o Vento” (Título original: El corral y el viento, cor, 55 minutos, Bolívia, 2014)
  • “Companhia” (Título original: Compañía, cor, 60 minutos, Bolívia, 2019)
  • “Bocamina” (Título original: Bocamina, cor, 22 minutos, Bolívia)

PROGRAMA TERESA CASTILLO

  • “La combi del Arte: Diccionarios Audiovisuales”

Seleção de nove filmes produzidos por diferentes povos indígenas com o propósito de comunicar seus cotidianos a partir das suas próprias línguas.

PROGRAMA ALDANA LOISEAU

  • Série “Pacha, mãe de barro”

Seleção de quatro curtas que compõem a série “Pacha: Barro Somos”. Trata-se de uma série de animação em argila que narra episódios característicos da cultura andina do Norte do Peru. Estrelando o “Pacha”, a própria terra em movimento, que, capítulo por capítulo, revela os personagens e tradições de uma cultura milenar que ainda hoje está viva. Feito à mão com argila dos solos da Quebrada de Humahuaca com a técnica de animação quadro a quadro.

  • Série “Tierra Animada”

Série documental filmada no Norte Argentino em 2012 composta de quatro episódios. Cada capítulo foi filmado numa escola diferente. Lá as crianças criam seus próprios filmes em uma oficina de cinema e, ao mesmo tempo, nos contam sobre a terra e seus ciclos naturais, resgatando a história oral do lugar.

SESSÕES DE CURTAS

Duas sessões de curtas-metragens produzidos por docentes, discentes e realizadores, totalizando 31 filmes.

  • MOSTRA CONTEMPORÂNEA

LONGAS

QUEM TEM MEDO?

documentário, DCP, cor, 71 minutos, SP, 2022

Direção: Dellani Lima, Henrique Zanoni e Ricardo Alves Jr

Documentário que narra a ascensão da extrema direita no Brasil a partir da perspectiva de artistas e suas obras censuradas. A partir de suas vozes, é composto um mosaico das consequências nefastas da ascensão do fascismo em nosso país.

GLAUBER, CLARO

documentário, DCP, cor, 80 minutos, SP, 2021

Direção: César Meneghetti
O filme compõe o retrato do maior expoente do cinema brasileiro, Glauber Rocha, em sua experiência italiana e de seu penúltimo longa-metragem “Claro” (1975). O documentário traz de volta o diretor e sua geração através de memórias de amigos, testemunho de colaboradores e de pessoas que o amaram, revelando fatos inéditos de seus anos de exílio na Itália até sua cólera contra o Festival de Veneza em 1980. Glauber, às vezes glorificado, outras odiado, mas quase sempre incompreendido deu uma contribuição essencial para o cinema mundial, fazendo-o avançar, porque só quem é tão ousado para acreditar que pode mudar o mundo, é que realmente consegue.

O BOM CINEMA

documentário, DCP, P&B, 82 minutos, SP, 2021

Direção:  Eugênio Puppo

A história do surgimento do Cinema Marginal Brasileiro, começando pela criação da primeira escola de cinema em São Paulo e misturando as memórias de Carlos Reichenbach, às ideias de Rogério Sganzerla e a produção de Boca do Lixo no final dos anos 1960.

 TEMPO RUY

documentário, DCP, cor, 72 minutos, RJ, 2021)

Direção: Adilson Mendes
Documentário sobre o trabalho do cineasta, escritor, ator e dramaturgo, Ruy Guerra. Um filme-ensaio de montagem vertical que reúne materiais diversos para destacar o discurso do cineasta sobre sua obra ao longo do tempo. Com recursos do Governo Federal, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro, através da Lei Aldir Blanc, sua montagem pontua a trajetória do cineasta, desde sua primeira experiência cinematográfica até suas palavras atuais sobre seu trabalho: o artista como crítico da sociedade, o cinema em favor da transformação política, a emancipação da mulher e o retorno do reprimido.

CURTAS – SESSÃO PRESERVAR A HISTÓRIA E SEUS REGISTROS

  • “Quem de Direito”, de Ana Galizia (documentário, DCP, cor, 21 minutos, RJ, 2021)
  • “Ressaca”, de Andrea França (comunitário digital, cor, 9 minutos, RJ, 2021)
  • “Ensaio sobre Abismos ou as Imagens que resgatei de algum lugar da minha mente”, de Rafael Luan (documentário digital, cor, 8 minutos, CE, 2021)
  • “Cartas para Glauber”, de Gregory Baltz (documentário, DCP, P&B, 12 minutos, RJ, 2022)
  • “Cinzas Digitais”, de Bruno Christofoletti Barrenha (documentário digital, P&B, 12 minutos, SP, 2022)

SESSÃO USAR E REMONTAR ARQUIVOS

  • “A Viagem sem Fim”, de Priscyla Bettim e Renato Coelho (experimental digital, P&B, 10 minutos, SP, 2021)
  • “Vermelho Guanabara” de Andrea França (experimental digital, cor, 10 minutos, RJ, 2021)
  • “ A Cosmopolítica dos Animais”, de Juliana Fausto e Luisa Marques (experimental digital, cor, 20 minutos, RJ, 2021)
  • “A Ordem Reina”, de Fernanda Pessoa (documentário, DCP, P&B, 18 minutos, SP, 2022)

                SESSÃO TV UFOP – Série 1

  • “Através dos Sentidos”, de Gilson Nascimento (ficção digital, cor, 13 minutos, RJ, 2021)
  • “Tecido, Sigilo”, de Lucílio Jota (documentário, DCP, cor, 15 minutos, RJ, 2021)
  • “Para além das tragédias”, de Rafael Oliveira (documentário digital, cor, 9 minutos, BA, 2021)
  • “Não Vim no Mundo para ser Pedra”, de Fábio Rodrigues Filho (documentário digital, cor, 25 minutos, BA/MG, 2021)

SESSÃO TV UFOP – Série 2

  • “Mundo Cacho”, de Matheus Leone documentário digital, cor, 19 minutos, BA, 2022)
  • “Lá e de Volta Outra Vez”, de Matheus Rameh (documentário digital, cor, 19 minutos, PE/RJ, 2021)
  • “Cartas Enquanto Há Tempo”, de Lauren Mattiazzi Dilli (documentário digital, cor, 14 minutos, RS, 2022)
  • “Terra Farta”, de Charles dos Santos e Gustavo Maan (ficção digital, cor, 24 minutos, SP, 2021)
  • Todos os filmes da Mostra Contemporânea estarão disponíveis na plataforma cineop.com.br de 22 de junho a 27 de junho
  • SIGA AS REDES DA UNIVERSO PRODUÇÃO PARA TER ACESSO AOS CONTEÚDOS QUE SERÃO DISPONIBILIZADOS DURANTE O EVENTO

SÍNTESE DA PROGRAMAÇÃO DA 17ª CINEOP

Durante seis dias de evento, o público terá oportunidade de vivenciar um conteúdo inédito, descobrir novas tendências, assistir aos filmes, curtir atrações artísticas, trocar experiências com importantes nomes da cena cultural, do audiovisual, da preservação e da educação, participar do programa de formação e debates temáticos de forma gratuita.

  • ABERTURA OFICIAL
  • EXIBIÇÃO DE FILMES – LONGAS, MÉDIAS E CURTAS
  • PRÉ-ESTREIAS E MOSTRAS TEMÁTICAS
  • MOSTRINHA
  • MOSTRA VALORES
  • SESSÕES CINE-ESCOLA
  • 17o ENCONTRO NACIONAL DE ARQUIVOS E ACERVOS AUDIOVISUAIS BRASILEIROS
  • ENCONTRO DA EDUCAÇÃO: XIV FÓRUM DA REDE KINO
  • DEBATES, DIÁLOGOS E RODAS DE CONVERSA
  • OFICINAS E WORKSHOP
  • MASTERCLASSES INTERNACIONAIS
  • PERFORMANCE AUDIOVISUAL
  • EXPOSIÇÃO
  • LANÇAMENTOS DE LIVRO
  • CORTEJO DA ARTE
  • FESTA JUNINA DA CINEOP
  • SHOWS

Acompanhe o programa Cinema Sem Fronteiras 2022.

Participe da Campanha #EufaçoaMostra

Na Web: www.cineop.com.br / www.universoproducao.com.br

No Instagram: @universoproducao

No YouTube: Universo Produção

No Twitter: @universoprod

No Facebook: cineop / universoproducao

No LinkedIn: universo-produção

FOTOS – https://www.flickr.com/photos/universoproducao/

SERVIÇO

17ª CINEOP – MOSTRA DE CINEMA DE OURO PRETO
22 a 27 de junho de 2022 | Presencial e Online

WWW.CINEOP.COM.BR

LEI FEDERAL DE INCENTIVO À CULTURA
LEI ESTADUAL DE INCENTIVO À CULTURA

Patrocínio Máster: Instituto Cultural Vale

Patrocínio: Cedro Mineração, Cemig/ Governo de Minas Gerais

Projeto executado com recurso do Fundo Estadual de Cultura/Governo de Minas Gerais 

Parceria Cultural: Sesc em Minas, Prefeitura de Ouro Preto , Universidade Federal de Ouro Preto,  Instituto Universo Cultural E Casa da Mostra
Apoio:Parque Metalúrgico Augusto Barbosa, Café 3 Corações, Canal Brasil, PMMG
Idealização e realização: Universo Produção

Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais
Secretaria Especial de Cultural / Ministério do Turismo / Governo Federal, Pátria Amada Brasil