PRODUTORES DEFENDEM QUE O VÍDEO COMUNITÁRIO É UMA FORMA DE INTERVENÇÃO E TRANSFORMAÇÃO SOCIAL

No encontro “Oficinas de vídeo: tradições e transformações”, transmitido ao vivo pela 16a CineOP nesta quinta-feira (24/6), a curadora da Temática Educação Clarisse Alvarenga mediou uma conversa com dois nomes importantes da produção comunitária de vídeo no Brasil: o professor Luiz Fernando Santoro, fundador da ABVP (Associação Brasileira de Vídeo Popular), e a produtora Gianne Neves Oliveira, atual coordenadora de projetos do Cecip (Centro de Criação da Imagem Popular). Ambos descreveram suas experiências na relação com o audiovisual e grupos coletivos na criação de imagens a partir dos anos 1980 através de oficinas, cursos e capacitação técnica.

Santoro foi autor do primeiro trabalho de doutorado no país a tratar o vídeo como instrumento de intervenção e transformação social. Suas pesquisas se detiveram em situações do Canadá e da Europa nas quais a utilização do vídeo se diferenciava do cinema devido à natureza de urgência e necessidade de transmissão de mensagens e ideias. Logo essa forma coletiva e popular de criação chegaria por aqui. “O vídeo no Brasil está muito mais ligado aos movimentos livres da Europa dos anos 1970 do que ao cinema. O espírito que movia essas pessoas era de produzir conteúdo que estivesse ausente da mídia e que o cinema, na época, não dava conta”, disse ele.

O professor relembrou um importante ponto de virada: a inserção do formato vídeo na grade de programação do Festival de Cinema de Cuba na década de 1980. Na ocasião, Santoro foi jurado no evento e constatou: “A história da América Latina estava sendo contada pelos movimentos de vídeo, enquanto o cinema buscava mercado e público. A luta dos operários do ABC, das comunidades do Rio de Janeiro ou dos índios na Bahia, entre tantos outros, estavam sendo feitas através do registro em vídeo”. A ABVP foi criada nesse contexto, para aprimorar e capacitar técnica e esteticamente os coletivos dispostos a pegarem na câmera e irem atrás dos registros que buscavam. Diversos grupos de vídeo fizeram trabalhos no âmbito da associação e todo o seu acervo foi disponibilizado num canal do YouTube:

https://www.youtube.com/channel/UCFhhuzZbVPzG1wutkDnALug

A própria Gianne Neves, presente ao debate, foi exemplo nesse movimento, ao ter iniciado seu envolvimento audiovisual na TV Maxambomba (canal comunitário na Baixada Fluminense) e posteriormente ter ido trabalhar no Cecip, entidade de referência em produção popular, inclusive tendo Eduardo Coutinho (1933-2014) em seus quadros durante muitos anos.  Para Gianne, o vídeo é uma possibilidade “de escuta e de olhar atento, de participação na comunidade não só para coletar dados, mas para produzir conhecimento”. Sua trajetória acadêmica também foi dedicada aos estudos em torno do uso do vídeo como forma de emancipação cultural e política.

Sobre o Cecip, Gianne contou que o órgão ainda desenvolve diversos projetos e tem tentado preservar-se como espaço para o coletivo, voltado ao que ela chamou de “produção com uma intenção”. “As pessoas hoje têm o celular na mão e fazem vídeos instantaneamente sem pensar o uso dessas ferramentas e o destino daquelas imagens. Eu vejo nosso atual momento como uma potência grande pela possibilidade de disseminação de conteúdos na internet, então por isso acredito que a produção de vídeo [em ambiente comunitário] deve sempre pensar na distribuição, na forma como vai se disseminar aquele conteúdo”.

Acompanhe a 16a CineOP e o programa Cinema Sem Fronteiras 2021.

Participe da Campanha #EufaçoaMostra

Na Web: www.cineop.com.br / www.universoproducao.com.br

No Instagram: @universoproducao

No Youtube: Universo Produção

No Twitter: @universoprod

No Facebook: cineop / universoproducao

No LinkedIn: universo-produção

SOBRE A CINEOP

Pioneira desde sua criação (2006), a enfocar a preservação audiovisual, história, educação e a tratar o cinema como patrimônio, a CineOP – Mostra de Cinema de Ouro Preto chega a sua 16a edição, de 23 a 28 de junho de 2021, no formato online e reafirma seu propósito de ser um empreendimento cultural de reflexão e luta pela salvaguarda do rico e vasto patrimônio audiovisual brasileiro em diálogo com a educação e em intercâmbio com o mundo.

Estrutura sua programação em três temáticas: preservação, história e educação. Durante seis dias de evento, o público terá oportunidade de vivenciar um conteúdo inédito, descobrir novas tendências, assistir aos filmes, curtir lives musicais, trocar experiências com importantes nomes da cena cultural, do audiovisual, da preservação e da educação, participar do programa de formação que oferece oficinas, masterclasses internacionais e debates temáticos. Tudo de graça pelo site www.cineop.com.br.

Acompanhe a 16a CineOP e o programa Cinema Sem Fronteiras 2021.

Participe da Campanha #EufaçoaMostra

Na Web:www.cineop.com.br / www.universoproducao.com.br

No Instagram: @universoproducao

No YouTube: Universo Produção

No Twitter: @universoprod

No Facebook: cineop / universoproducao

No LinkedIn: universo-produção

SERVIÇO

16a CINEOP – MOSTRA DE CINEMA DE OURO PRETO

23 a 28 de junho de 2021

LEI FEDERAL DE INCENTIVO À CULTURA

Patrocínio: Instituto Cultural Vale, Cedro Mineração, Cemig|Governo de Minas Gerais

Parceria Cultural: Sesc em Minas, Prefeitura de Ouro Preto, Casa da Mostra e Instituto Universo Cultural

Apoio: Universidade Federal de Ouro Preto, Parque Metalúrgico Augusto Barbosa, Rede Minas, Rádio Inconfidência, Canal Brasil e Café 3 Corações

Idealização e realização: Universo Produção

Secretaria Especial de Cultural / Ministério do Turismo / Governo Federal Pátria Amada Brasil

PROGRAMAÇÃO GRATUITA PELO SITE WWW.CINEOP.COM.BR

  • ABERTURA OFICIAL
  • EXIBIÇÃO DE FILMES – LONGAS, MÉDIAS E CURTAS
  • PRÉ-ESTREIAS E MOSTRAS TEMÁTICAS
  • MOSTRINHA
  • MOSTRA VALORES
  • SESSÕES CINE-ESCOLA
  • ENCONTRO NACIONAL DE ARQUIVOS E ACERVOS AUDIOVISUAIS BRASILEIROS
  • ENCONTRO DA EDUCAÇÃO: XIII FÓRUM DA REDE KINO
  • DEBATES, DIÁLOGOS E RODAS DE CONVERSA                                                       
  • OFICINAS
  • MASTERCLASSES INTERNACIONAIS                                                                        
  • EXPOSIÇÃO VIRTUAL “MEU CARTÃO POSTAL DE OURO PRETO”
  • PERFORMANCE AUDIOVISUAL
  • SHOWS